O romantismo das redações dá lugar à versatilidade

Se você já assistiu ao clássico do cinema “Todos os Homens do Presidente”, filme de 1976 estrelado por Robert Redford e Dustin Hoffman, provavelmente se apaixonou pela profissão de jornalista. O filme retrata a investigação do escândalo Watergate por dois jornalistas do Washington Post, Bob Woodward e Carl Bernstein, representados respectivamente por Redford e Hoffman.

Para ter uma ideia da grandeza da reportagem conduzida pelos norte-americanos, a investigação dos dois norte-americanos resultou na renúncia de Richard Nixon em 1974, então presidente dos Estados Unidos. O esforço e o mérito dos repórteres investigativos estão totalmente interligados a outras questões: redações amplas e mais tempo para apurar e realizar as matérias, que permitiam um outro tipo de jornalismo, mais romântico e até nostálgico.

Profissionais como Woodward e Bernstein – no Brasil, temos exemplos similares, como Agostinho Teixeira, Eliane Brum, Roberto Cabrini e Valmir Salaro – são casos cada vez mais raros na imprensa atual. O próprio Teixeira resumiu bem certa vez ao Portal Imprensa: “o jornalismo investigativo resiste pela vontade dos cidadãos”.

Com a Internet, surgiu um novo tipo de comunicação, com reportagens mais rápidas e textos enxutos, representados no formato hard news, uma espécie de jornalismo em tempo real. As pesquisas são feitas de forma mais ágil e as entrevistas realizadas olho a olho não são mais frequentes. Hoje, podem ser feitas de outras formas: redes sociais, aplicativos de mensagens, email, entre outros.

A disputa atual entre a maioria dos veículos é por noticiar primeiro. Quem dá a notícia em primeira mão sai na frente, tendo mais chance de repercutir e ser compartilhado pelas redes sociais mais rapidamente. E com as redações cada vez menos ocupadas, os jornalistas acabam acumulando outras funções, tendo que executar vários trabalhos com a mesma agilidade. À versatilidade destes profissionais, um novo conceito já foi adotado, o “Do-It-Yourself (DIY) Journalism”.

Deixe um comentário