IoT: um mercado muito além da sigla

Por Mariana Alves

O conceito Internet of Things (IoT) adicionou inovação para as indústrias e empresas, mas também trouxe facilidades para o dia a dia doméstico por meio do uso de aparelhos conectados. Desde celulares e brinquedos até geladeira, televisores e sistemas de controle de ar condicionado – tudo pode ser controlado em um toque na palma da mão.

Em 2016, já eram 6,4 bilhões de dispositivos conectados e a previsão é de ultrapassar 20,8 bilhões em 2020, segundo o relatório Internet of Things: A vision of Future (Internet das coisas: Uma visão do futuro, em tradução livre), da Online Trust Alliance.

Estes números revelam que o receio inicial na adoção dos dispositivos conectados pelos consumidores comuns, como você e eu, é uma barreira ultrapassada pelos fabricantes, os quais têm investido tanto em pesquisas e tecnologias de aprimoramento quanto na segurança e privacidade dos dados trafegados por eles.

A questão da segurança é fundamental, uma vez que a maior parte dos dispositivos IoT estão dentro de casa e revelam os hábitos de uma família inteira. Caso haja violação, estas informações podem ser utilizadas por cibercriminosos para extorsão, por exemplo.

Por outro lado, os dispositivos conectados proporcionam economia financeira e de tempo, uma vez que tarefas antes custosas e demoradas são controladas pelo próprio celular, como o acender ou apagar das luzes do jardim, e o acionamento da bomba da piscina e do ar condicionado.

Ainda há muito o que ser desenvolvido neste setor da indústria e o Brasil não está distante. De acordo com o IDC, 4% das residências possuem, ao menos, um dispositivo conectado, sejam controles de câmeras, de temperatura ou de ar condicionado.

O mercado ainda deve movimentar cerca de US$ 8 bilhões neste ano no país, liderado por setores, como saúde, indústria, agricultura e infraestrutura urbana, os principais segundo o Plano Nacional de IoT.
Neste curso de inovação, o que devemos esperar são legislações para assegurar a privacidade, seja em casa, no trabalho ou dos governos.

Deixe um comentário