O que você precisa saber sobre Assessoria de Imprensa na América Latina

Quando as empresas decidem apostar em assessoria de imprensa na América Latina – especialmente as multinacionais – tendem a enxergar e a entender a região como uma coisa só, uma grande região na qual todos os países possuem a mesma cultura, um único idioma (pasme!) e uma maneira única de trabalhar. Essa percepção é muito comum, e às vezes bem difícil de ser desconstruída.

Com base em nossa longa experiência em comunicação em diversos países, compartilhamos alguns pontos-chave para as marcas que têm interesse em saber mais sobre a região. A dica número um para realizar assessoria de imprensa na América Latina é sempre ter em mente que cada país tem suas peculiaridades. Em termos de conteúdo, no geral, costumam ser próximos e exigem somente uma pequena localização (inserção de informações locais relevantes, ou exemplos que se aplicam àquele país) e adaptação do idioma espanhol para refletir as preferências e usos em cada país. Por exemplo, um conteúdo em espanhol usado na Argentina não será exatamente igual à versão do México.

A importância do idioma local

No mundo ideal, nenhuma empresa abriria um escritório em outro país sem ter funcionários e porta-vozes locais, fluentes no idioma falado no país. No entanto, no mundo real cotidiano, as coisas não são bem assim. Muitas vezes, as empresas dispõem de porta-vozes que falam apenas Inglês, ou que falam Português e apenas arranham o Espanhol, ou ainda uma terceira configuração: os que falam Espanhol e tentam o Português.

Especialmente quando os porta-vozes falam apenas Inglês, por vezes, oportunidades de entrevistas podem ser perdidas com a imprensa local, porque muitos jornalistas conhecem um pouco da língua, mas não possuem a fluência necessária para conduzir uma entrevista. No caso de entrevistas para rádio e TV, a questão é ainda mais sensível, pois esses meios priorizam as entrevistas na língua local. Portanto, é primordial designar ao menos um porta-voz fluente em espanhol e outro fluente em português para atender a imprensa latino-americana de maneira apropriada.

 

Imagens

Numa era onde a comunicação se torna mais visual a cada dia, é imprescindível que as empresas disponibilizem imagens para acompanhar os conteúdos divulgados. Os humanos são, por natureza, seres muito visuais. 30% do cérebro está engajado na tarefa de processar informação visual, enquanto dedica 8% ao tato e 3% à audição. A leitura é uma tarefa visual, mas não compreendemos os textos de maneira tão rápida quanto compreendemos imagens.

Na América Latina, é essencial fornecer um recurso visual à imprensa. Podem ser imagens de produtos, imagens de eventos, fotografias dos porta-vozes, ou artes ilustrativas.

Infográficos ocupam lugar de destaque e são muito bem-vindos pela mídia em toda a região. Além de serem consumidos pela imprensa, são materiais valiosos para uso nas redes sociais das empresas, posteriormente à publicação na imprensa.

Pesquisas globais x pesquisas regionais

Um dos maiores desafios dos departamentos de comunicação de empresas com atuação em diversos países é ser capaz de contemplar todos os mercados em seus estudos e pesquisas. O custo para inclusão de vários países acaba sendo alto, e não se encaixa no orçamento. E então as marcas acabam por priorizar aqueles que são mais estratégicos naquele momento.

No entanto apesar de vivermos em um mundo cada vez mais globalizado e conectado, as informações e dados locais ainda são mais importantes do que aqueles globais. Assim, grandes pesquisas aplicadas somente nos EUA e países da Europa, não têm forte apelo para a imprensa latino-americana.  Bem como estudos conduzidos em apenas alguns países da América Latina não terão impacto para a imprensa daqueles países que não foram incluídos nela.

Trabalhar com um hub team para assessoria de imprensa na América Latina

Realizar assessoria de imprensa em diversos países simultaneamente exige a coordenação do trabalho a partir de um único time, a fim de simplificar o processo para o cliente e otimizar seu tempo.

O hub team é responsável pelo contato e atendimento direto com a interface cliente (diretores, gerentes e heads de comunicação e de marketing), além de primar pela qualidade do serviço como um todo. Isso significa que e-mails, ligações e mensagens referentes ao planejamento e execução da campanha de PR na região são tratados e respondidos pelo hub, e não pelos demais países. Para o cliente, esse é um ponto muito positivo, uma vez que conta com uma única equipe capaz de atualizá-lo sobre qualquer ação, em qualquer país, com agilidade.

Na outra ponta, o hub é responsável por gerenciar o trabalho junto a cada time local, acompanhar a execução das ações planejadas, sanar as dúvidas da equipe, avaliar oportunidades de imprensa locais antes de reportá-las ao cliente, revisar e compilar relatórios locais transformando-o em um relatório regional único, revisar e validar media briefings e enviá-los ao cliente, realizar conference calls com as equipes, geralmente semanais ou quinzenais,  para garantir a entrega das ações e manter-se sempre atualizado e alinhado com cada país.

Extras: Assista aqui a dois vídeos com dicas de Dos e Dont’s para assessoria de imprensa na América Latina

Colômbia

 

 

Chile

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário