A ascensão da Inteligência Artificial: Guerras de robôs no campo de batalha da comunicação

Experimente mencionar o termo Inteligência Artificial (IA) e a maioria das pessoas imediatamente pensarão em imagens de robôs psicóticos manipulando os seres humanos para que eles realizem sua vontade. Enquanto alguns vão apontar para os líderes políticos atuais e sugerir que já chegamos a este ponto de inflexão da raça humana, a maioria vai concordar que ainda há algum tempo até que nos encontremos em cenas de filmes como “O Exterminador do Futuro”.

O certo é que a IA chegou. Acompanhando esta tendência, vamos explorar o que ela pode significar para a indústria de comunicação e marketing como um todo. Será que a IA nos fará perder nossos empregos ou finalmente nos permitirá sermos criativos, tomando para ela as tarefas operacionais? Como o nosso adorado cenário de mídia poderá mudar ainda mais? Será o fim dos almoços de relacionamento entre porta-vozes e jornalistas?

A IA está aqui para ficar. A questão é: as comunicações permanecerão lado a lado com ela?

Copywriters de fibra de carbono

A Associated Press já deu o salto para o jornalismo liderado pela IA. Ao associar-se à Automated Insights, a proeminente empresa de notícias está usando algoritmos gerados por software para relatar as notícias esportivas rotineiras (jogos de beisebol de ligas menores) de forma rápida e eficiente.

O início do uso dos robôs levou ao corte de profissionais na mídia, certo? Ainda não. A Associated Press não cortou pessoal. Na verdade, o cargo de editor automatizado foi criado e preenchido prontamente, por um ser humano.

No entanto, não é apenas na criação de conteúdo escrito e estático que AI está se envolvendo. Também queremos que os bots tenham um bom bate-papo com nossos clientes.

Fale com o bot, o humano não está te escutando

Tecnologia avançada de reconhecimento de voz e bots de conversação são ferramentas úteis para lidar com perguntas simples e em grande volume, como por exemplo: “Meu voo está atrasado?” Agora se modificarmos um pouco a pergunta: “Que sentido faz pagar por uma passagem na primeira classe se o meu voo não decola?”…Aí está o problema. A empatia não está integrada nos sistemas de engajamento de clientes da IA. As empresas ainda precisam de jogo de cintura, a fim de lidar com os clientes de forma compreensiva.

Sob a perspectiva de comunicação, duas coisas vão acontecer. Esperar para ver referências e, ao longo do tempo, perguntas simples de RFP (request for proposals, ou pedidos de proposta) tratadas através de IA. Não há nenhum problema em um bot de bate-papo atualizado regularmente servir como introdução de uma agência de comunicação e oferta de serviços.

A crise do robô

Tay, bot de bate-papo do Twitter projetado pela Microsoft, tinha problemas de personalidade. Em vez de fazer o papel de um hipster ocasional, acabou sendo influenciado por alguns usuários, o que o fez declarar coisas como “o holocausto foi apenas ficção”, juntamente com uma série de outros tweets delineando sua posição surpreendente sobre campos de concentração e a Klu Klux Klan. Assim, o Tay rapidamente tornou-se um grande exemplo de IA que deu errado.

Experientes profissionais estão procurando remodelar seus planos de comunicação de crise para garantir que haja contingências para bugs de bate-papo e serviços de reconhecimento de voz automatizados. As agências procurarão implementar programas de comunicação de crise online para IA. Isso envolverá tudo, desde elaborar o fator de risco com base na quantidade de IA que uma empresa utiliza, até obter porta-vozes munidos com as informações necessárias e treinamento de mídia para lidar com uma crise conduzida pela IA.

Não há dúvida, AI vai influenciar a reputação de uma empresa. Agora basta saber se será positiva ou negativamente.

Falso ou verdadeiro?

A área final onde a IA trará impacto para o mundo das comunicações é na busca de fatos. Agora, vamos ser claros, estamos focando especificamente na coleta e na mineração de dados, e não em insights. Os seres humanos serão sempre os únicos a descobrir informações e insights, no entanto a IA vai ajudar a reunir os fatos e dados iniciais que permitem que os insights sejam formados.

Em um cenário onde a mídia está sob minuciosa análise, a IA pode fornecer um sistema de alerta incrivelmente útil. Por ter o poder de processamento para determinar rapidamente se uma declaração ou uma história é confirmada ou desmentida, a IA poderia ser o editor mais poderoso para manter a veracidade.

Aproveitando a onda

A Inteligência artificial está aqui e vai se tornar maior e melhor. Em vez de enterrar nossas cabeças na areia e esperar que essa onda desvie seu olhar da área de comunicação, precisamos abraçá-la.

Se você se sentir desempenhando um papel puramente operacional, escrevendo press releases ou preenchendo planilhas de Excel, então você provavelmente deve procurar atualização ou aperfeiçoamento o mais rápido possível.

Mas este é um passo positivo. A IA fornecerá o tempo e a inteligência necessários para que nos concentremos em coisas mais importantes. Para isso, o setor precisa deixar de lado o medo de comunicar aos clientes que parte do processo de comunicação agora é automatizado, ou seja, precisa ser honesto sobre o que é humano e o que não é, para então concentrar sua energia em maximizar a criatividade, estratégia e resultados de negócios.

Faça o download do relatório completo em: http://trends.hotwirepr.com/uk/the-rise-of-ai-2

Por John Brown, Diretor de Engajamento da Hotwire PR

Deixe um comentário